voltar
Pesquise sobre nossas escolas, notícias, portais e páginas.
(apague o campo para eliminar a pesquisa.)

Projetos podem ser inscritos até 30 de junho no prêmio Nacional Desafio Criativos da Escola

Por Silvio Oliveira
- 11/06/2019 08:50:00
355 acessos imprimir

Em 2018, a escola estadual Delmiro de M. Britto, em Canindé de São Francisco ficou entre os 11 projetos selecionados pelo Desafio Criativos da Escola 2018 pela criatividade e protagonismo de criança e jovens em todas as regiões do Brasil.

 

A um mês do fim das inscrições, o Desafio Criativos da Escola 2019, realizado pelo programa Criativos da Escola, do Instituto Alana, tem recebido histórias de transformação feitas por crianças e jovens de todo o Brasil. A 5ª edição do Desafio reconhecerá sete ações que promovam histórias de mudanças e tragam soluções para questões que afetam suas escolas, comunidades ou mesmo municípios onde moram.

 

Como parte da premiação, além de receberem prêmios em dinheiro, três estudantes e um educador de cada grupo selecionado viverão uma imersão cultural na Itália, acompanhados da equipe do Criativos - que arcará com todos os custos da viagem.

 

Criatividade, empatia, protagonismo e trabalho em equipe serão alguns dos critérios de avaliação dos projetos, que podem ser enviados tanto por professores quanto por estudantes do Ensino Fundamental ou Médio, até o dia 30 de junho.


Intercâmbio na Itália

 

Na capital, Roma, os grupos farão intercâmbio com mais de três mil estudantes de diferentes partes do mundo que também tenham implementado soluções transformadoras em suas  realidades na defesa dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da ONU. As crianças e jovens participarão da Conferência Global &Eu Posso, com a presença do Papa Francisco, de artistas e demais lideranças mundiais.

 

Também viverão uma imersão em escolas locais com adolescentes italianos que participam do movimento global Design For Change – o qual deu origem, no Brasil, ao Criativos da Escola - criado pela educadora e designer indiana Kiran Bir Sethi. Desde a primeira edição do Desafio, já somamos mais de 4500 projetos realizados por milhares de crianças e jovens de todo o país! Em 2018, por exemplo, a premiação recebeu 1.654 projetos de todos os estados brasileiros. E são ações que transformam desde questões relacionadas à sustentabilidade até iniciativas que tratam sobre economia, história local, cultura, arte, inovação pedagógica e combate a bullying e preconceitos, por exemplo.

 

“Neste ano, estamos ampliando ainda mais este movimento, levando para o mundo estes projetos incríveis. E ainda dá tempo de inscrever suas iniciativas”, convida Gabriel Salgado, coordenador do programa Criativos da Escola.

 

Inscrição 2019

 

Para auxiliar os educadores interessados em inscrever experiências de transformação  protagonizadas por seus alunos, o Criativos da Escola disponibiliza um material de apoio , além de textos, vídeos e reflexões que podem contribuir com sua prática dentro e fora da sala de aula. Já para os estudantes, há o jogo de cartas “ A Missão ”, um baralho transformador que tem como propósito estimulá-los, de maneira autônoma, a ultrapassar desafios para a melhoria de suas realidades. Outra fonte de inspiração são os programas do canal do Criativos da Escola no YouTube. No programa “ Lu de Lupa ”, por exemplo, a jovem Luiza Geiling propõe um bate-papo leve, divertido, ágil e cheio de questionamentos. Todas as informações, inclusive as inscrições, poderão ser feitas através do site oficial

 

Experiência de Sergipe

 

Há iniciativas de Campo Bom (RS) a Palmas (TO), de Brasilândia (MS) a Senador Pompeu (CE), de São Paulo (SP) a Canindé de São Francisco (SE), do Rio de Janeiro (RJ) a Vila Rica (MT), de Pindoretama (CE) a Sumaré (SP) passando por São Miguel das Matas (BA). Estas são as 11 cidades de onde vieram as iniciativas selecionadas entre as 1654 ações inscritas na edição deste ano.

 

Em Canindé de São Francisco, os estudantes do 2º e do 3º ano do ensino médio do Colégio Estadual Delmiro de Miranda Britto, que são moradoras de uma comunidade rural agrícola, perceberam o problema causado pela falta de água. Ao mesmo tempo, na escola, os estudantes ouviam com frequência reclamações dos colegas tanto sobre a dificuldade de respirar com o tempo seco da região, quanto pela falta de hortaliças frescas para comer na merenda escolar. Com protagonismo e ações simples e eficazes, passaram a transformar a paisagem semiárida em um oásis de árvores e hortaliças, com uma horta de 50m quadrado e 11 canteiros de ondem saem coentro, alface, cebolinha e muitos outros alimentos direto para a merenda escolar.

 

A horta faz parte de um projeto ambiental que revitalizou toda a escola, localizada na cidade de Canindé de São Francisco (SE). A paisagem do sertão sergipano foi substituída por uma zona completamente arborizada. A aposta é que daqui a uns anos, quando as árvores recém-plantadas começarem a crescer, a escola se torne um cinturão verde no meio da área urbana onde ela se localiza, numa confluência de alegria para os olhos, descanso para a mente e novos ares para os pulmões.

 

No colégio, as estudantes realizaram palestras para sensibilizar cada vez mais alunos sobre a importância da recuperação e preservação do meio ambiente. Além do Ensino Médio, outras turmas também foram incentivadas a visitar o assentamento e se envolver nas ações. Agora a escola quer aumentar o projeto também para o Ensino Fundamental e equipar ainda mais a horta para que os alimentos excedentes possam ser comercializados na região.

 

A integração com a comunidade e as ações da escola chamaram a atenção do Ministério do Meio Ambiente, que, a partir dessa experiência, criou um programa derivado da Urad, chamada Urade (Unidade de Recuperação de Áreas Degradadas nas Escolas), que visa ampliar as ações de recuperação do paisagismo e construção de horta em outras escolas da região.


Sobre o Instituto Alana

 

O Instituto Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância. Criado em 1994, é mantido pelos rendimentos de um fundo patrimonial desde 2013. Tem como missão “honrar a criança”.

 

 

*Com informações da Assessoria do Instituto Alana e Fundação Telefônica Vivo