Notícia do Portal

02/01/2018 09:29 (474 acessos)

Secretaria de Educação atua estrategicamente para reduzir os índices de analfabetismo em Sergipe

Atualmente, estão sendo alfabetizados 4.000 cidadãos sergipanos por meio do Programa Sergipe Alfabetiza Mais. Segundo dados do IBGE divulgados este ano, apenas 3,5% da população sergipana acima dos 15 anos não sabe ler nem escrever. Na região Nordeste, a taxa de analfabetismo é de 14,8% da população acima dos 15 anos

 

A meta do governo estadual de reduzir o número de analfabetos em Sergipe, um dos compromissos do Plano Estratégico 2015-2018 (PES), da Secretaria de Estado da Educação (Seed), tem sido buscada intensamente por meio de políticas públicas implementadas pelo Departamento de Educação (Ded/Seed). Como forma de fortalecer essas ações, o Governo de Sergipe atua também em regime de colaboração com as redes municipais de Educação.

 

Para alfabetizar os cidadãos sergipanos com mais de 15 anos, adultos e idosos, a Seed coordena e executa o Programa Sergipe Alfabetiza Mais (AMA), que atende atualmente a 4.000 alfabetizandos, distribuídos em 433 turmas em 55 munícipios sergipanos. Iniciado em setembro, o Módulo 2016/2017 é desenvolvido em parceria com secretarias municipais de Educação, instituições privadas, Organizações Não Governamentais (ONGs), associações, igrejas, movimentos sociais, e também com outras secretarias de Estado.

 

Segundo dados apresentados pela técnica pedagógica da Seed e coordenadora do AMA, professora Givelda Araújo, além dos alfabetizandos cadastrados no Sistema Brasil Alfabetizado (SBA), o programa Sergipe Alfabetiza Mais conta atualmente com 445 alfabetizadores voluntários e 70 alfabetizadores-coordenadores de Turmas Voluntárias. Em 2016, por meio do AMA, explica a coordenadora do Programa, o Governo de Sergipe alfabetizou quase 18.000 cidadãos sergipanos, em 1.754 turmas, em diversos munícipios sergipanos.

 

"O AMA ofereceu formação inicial aos alfabetizadores-coordenadores e aos alfabetizadores-voluntários com carga horária de 40 h. Essa formação objetivou preparar os bolsistas para o desenvolvimento de suas atribuições enquanto voluntários do Programa. Ao iniciarmos as aulas, distribuímos 4.000 kits aos alfabetizandos e materiais pedagógicos para os alfabetizadores prepararem aulas e oficinas para dinamização do processo ensino aprendizagem. Além de materiais pedagógicos, distribuímos também merenda escolar específica para os alunos alfabetizandos", destaca Givelda.

 

A coordenadora do Programa Sergipe Alfabetiza Mais afirma que dentro das ações do AMA a Seed promove monitoramento das turmas em cada município, além de realizar formação permanente para os Alfabetizadores-Coordenadores, cujo o objetivo é elaborar planejamento mensal e orientar esses profissionais sobre os instrumentais necessários para o registro dos Relatórios.

 

PNAIC

 

Dentro da meta de redução dos índices de analfabetismo, a Secretaria de Estado da Educação atua também por meio da implantação de programas de alfabetização nos três primeiros anos do Ensino Fundamental. Para isso, a Seed aderiu ao Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), cujo objetivo é assegurar que todas as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos de idade, ao final do 3º ano do ensino fundamental.

 

De acordo com a diretora do Departamento de Educação, professora Gabriela Zelice, como resultado da adesão ocorrida em 2016, 379 professores da rede estadual participaram da formação para o PNAIC, concluída este ano. Ela afirma que para operacionalização do Pacto, também este ano, a Seed realizou encontros de divulgação e sensibilização com as Diretorias de Educação, com participação de professores e coordenadores pedagógicos, demostrando a importância da formação continuada para reflexão e ressignificação da prática pedagógica; e cadastrou todos os professores do 1° ao 3º ano do ensino fundamental no Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle do Ministério da Educação (SIMEC/PNAIC), como forma de garantir a participação efetiva de todos no Pacto.

 

"Além dessas ações, o Departamento de Educação da Seed promoveu também o Encontro Formativo, em parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), para os formadores locais, com a participação dos coordenadores pedagógicos regionais, com o propósito de analisar os dados da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) e replanejar ações para melhoria da aprendizagem dos alunos. Como suporte ao PNAIC, a equipe técnico-pedagógica da Seed implementou também o projeto "Planejando as bases do sucesso escolar nos anos iniciais", para orientar a implantação do Programa em todas as Diretorias de Educação", afirma Zelice.

 

Somos

 

Segundo o secretário de Estado da Educação em Exercício, professor Everton Siqueira, em todos os 14 municípios do Território do Baixo São Francisco, a Seed desenvolve, em parceria com o Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (ITPI), o Projeto Somos, que visa melhorar a qualidade do ensino em nesta região, utilizando tecnologias resultantes da pesquisa da neurociência para fazer com que os alunos aprendam as competências necessárias que devem aprender nos anos iniciais do ensino fundamental.

 

"Neste projeto serão investidos, até o final do próximo ano, R$ 20 milhões para promover a elevação da qualidade do ensino, do aprendizado, do letramento e do numeramento dos alunos da região. Os recursos já aplicados estão sendo utilizados para atender às escolas municipais e da rede estadual de ensino integrantes e beneficiadas com as ações do projeto. Para sua execução, o Projeto ‘Somos', que benéfica cerca de dois mil alunos, distribuiu tablets para estudantes e professores, por meio do qual estes acessam as plataformas digitais do projeto", explica o secretário de Educação em Exercício.

 

De acordo com o professor Everton Siqueira, os professores que integram o projeto podem ainda participar de um programa de bolsa de pesquisa, remunerada, por meio de uma parceria da Seed com a Fundação de Apoio à Pesquisa e à inovação Tecnológica de Sergipe do Estado de Sergipe (Fapitec).

 

Medidas socioeducativas

 

A oferta de educação e de ensino para os adolescentes privados de liberdade em razão do cumprimento de Medida Socioeducativa de Internação é realizada pela Seed no Centro de Atendimento ao Menor (CENAM), na Unidade de Internação Feminina (UNIFEM) e na Unidade de Internação Provisória (USIP), todas sob a responsabilidade da Fundação Renascer do Estado de Sergipe.

 

Para adequar os serviços educacionais à demanda dos adolescentes, foi implementado um conjunto de ações definidos nos Parâmetros Norteadores para a Realização dos Processos Educacionais no Sistema Socioeducativo de Privação de Liberdade. Trata-se de um referencial orientador dos processos pedagógicos e de apresentação dos conteúdos, fundamentado na Pedagogia de Projetos, considerando as especificidades do perfil do público alvo.

 

De acordo com a professora Josevanda Mendonça Franco, diretora do Serviço de Educação em Direitos Humanos (SEDH/Seed), para fortalecer a nova proposta, a Seed implementou o Programa de Formação Continuada para os docentes que atuam no Sistema Socioeducativo, que participaram ainda do Projeto Escola Hoje, um instrumento de atualização conceitual e reflexivo da realidade social de origem dos adolescentes e do papel da educação no processo de reconstrução se seus projetos de vida, executado a partir da metodologia dos Círculos Restaurativos.

 

"Paralelo a ampliação do atendimento no tocante ao quantitativo de adolescentes inseridos na proposta educacional e de ensino, outras ações de metodologias compatíveis com os novos processos pedagógicos foram implementadas, a exemplo da disponibilização do novo espaço da biblioteca/sala de leitura "Antônio Carlos Gomes da Costa", localizada no CENAM, reformulada fisicamente e na composição do seu acervo, que recebeu novos títulos e volumes", destaca Josevanda.

 

Para atendimento ao Sistema Socioeducativo em Meio Aberto, onde se inserem os adolescentes em cumprimento de medidas de Prestação de Serviço à Comunidade (PSC) e Liberdade Assistida, o Programa Acolher promoveu a preparação das Unidades Educacionais para o acolhimento e o acompanhamento dos adolescentes em cumprimento das referidas Medidas e dos egressos do Sistema Socioeducativo, contribuindo para evitar a reincidência infracional.

 

Neste sentido, a metodologia do Acolher foi iniciada no Colégio Estadual Paulo Freire, na Escola Estadual 8 de Julho, no Centro de Referência da EJA Professor Severino Uchôa e na Escola Estadual 15 de Outubro, circunscritos à Diretoria de Educação de Aracaju (DEA), onde foram realizadas ações de disseminação e esclarecimentos junto aos operadores educacionais, tornando-os aptos para contribuir no processo de execução da Medida ou de reconstrução dos projetos de vida do adolescentes inseridos Sistema Socioeducativo em Meio Aberto, com matrícula regular das Unidades Educacionais supracitadas.

 

Alfabetização no sistema prisional

 

O Governo de Sergipe, por meio das secretarias de Estado da Educação (Seed) e da Justiça (Sejuc), oferta Educação de Jovens e Adultos para os sujeitos privados de liberdade. O processo de alfabetização no Sistema Prisional atende atualmente a 120 alunos inscritos no Programa Sergipe Alfabetiza Mais (AMA) e a outros 450 alunos pela EJAEF.

 

A professora Aldjane Costa, coordenadora do Serviço de Educação de Jovens e Adultos (Seja/Ded/Seed), explica que o monitoramento da aprendizagem e a permanência dos alunos no processo de alfabetização no Sistema Prisional sergipano é um desafio que tem sido enfrentado por meio de visitas técnicas realizadas nas unidades carcerárias que implementam a EJA.

 

"Encaminhar para continuidade dos estudos os detentos alfabetizados com vistas à sua inserção no Ensino Fundamental da EJA garante o acesso, a permanência e a certificação dos sujeitos privados de liberdade. Para tanto, a Seed e a Seujuc estão reelaborando o Plano Estadual de Educação Prisional que terá validade até 2021", complementa a coordenadora do Seja/Seed.

 

Outra estratégia adotada pela Seed, em parceria com a Sejuc, segundo Aldjane Costa, é a realização de Projetos de Intervenção, sob a orientação da Secretaria de Educação, dos processos de escolarização em EJA dos sujeitos privados de liberdade, do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico de Sergipe (HCTP/SE). "A partir dessa construção estão ocorrendo Mostras Pedagógicas como resultado de atividades educacionais desenvolvidas por professores e pelos 91 alunos que habitam esse espaço de ensino", destaca.

 

Projovem Urbano

 

Com vistas a reinserção de jovens com idade entre 18 e 29 anos no processo de escolarização, a Seed executa ainda o Projovem Urbano, uma ação que resulta da parceria entre os Governos Federal e Estadual para proporcionar a conclusão do Ensino Fundamental e a qualificação profissional em 18 meses. Apenas este ano já foram certificados 700 alunos em 14 municípios. 

Voltar à página anterior